Hipátia/Ilustração/Divulgação
Hipátia/Ilustração/Divulgação
O “suicídio” agora tem “câmara mortuária” –> A “Capsula Sarco”! Fim dos tempos?

Quanto mais rezo, mais assombração me aparece! Que mundo é esse em que estamos vivendo, Meu Deus? Recentemente foi postado um artigo no site Terra, com a seguinte chamada: “Cápsula do suicídio feita por impressora 3D permite morte digna e indolor”. Logo a seguir, dentre outras coisas, o mesmo artigo diz: ”O assunto é polêmico, mas necessário”.

De acordo com o texto, o suicídio de jovens entre 15 a 29 anos é a quarta causa de morte no Brasil, inserindo-se nesse contexto indígenas, e jovens e adultos LGBT.

Um teste online é realizado por parte do “candidato ao suicídio”, com fins de verificar se o mesmo sofre de distúrbios mentais, ou ainda se o mesmo deseja se matar por impulso, para o que o criador da “capsula assassina” propõe que busquem tratamentos psicológicos. Mas, a frieza dessa notícia ao dizer que “Foi pensando em dar dignidade às pessoas que desejam colocar fim em suas vidas que a Exit International (…) criou uma câmara para fornecer aos indivíduos que desejam morrer uma opção de método de auto-extermínio digna, privativa e sem dores ou incômodos”, é deveras assustadora!

Por isso que quando o texto diz ser um “assunto polêmico e necessário”, concordo plenamente! Polêmico, e muito! Bem como necessário, porém no que concerne a se impedir a permissão de tal atrocidade pelo menos no nosso País, isso na minha concepção! Pois, como cristã que sou, creio que “a vida só Deus pode tirar”, ou seja, “na data e hora certa” faremos nosso “passamento” com a devida anuência do Pai. Baseando-me nessa convicção, não aceito sequer a “eutanásia” para doentes terminais, como posso aceitar um “auto suicídio” ou “auto-extermínio” conforme referido no artigo?

Outrossim, ao ler essa notícia, que saiu no Terra agora em 29 de novembro (2017), fiquei arrepiada, pois me lembrei de um filme que assisti da Netflix igualmente recente, denominado “Onde está Segunda”. Trata-se de uma história de “redução populacional” (*ver artigo “As Pedras da Geórgia” neste site) aqui em nosso planeta, com leis de domínio de um provável “Governo Global”, no ano de 2073 (não está tão longe assim. Não é?!).

Pois bem, no filme, alega-se que devida a superpopulação da Terra, os casais não poderiam ter mais que um filho (tal qual a China até 2015, quando então passou a permitir até dois filhos!). No caso de nascimento de gêmeos ou gestações múltiplas, apenas ao primeiro filho seria permitida a vida; enquanto que aos demais seriam “confinados em ambiente criogênico para serem despertados quando a situação do planeta estivesse sob controle”, sendo esta a alegação do criminoso plano, comunicada à população vigente. Só que, na verdade, os irmãos eram colocados em “capsulas mortuárias”, onde eram desintegrados (a tecnologia usada poderia ser “raios haarp” de forma adaptada ao projeto homicida?)!

E, pasmem! As “capsulas” do filme eram muito parecidas com a tal “capsula do suicídio”! Assistam o filme e comprovem! E aí, vocês ainda acreditam em “coincidências”? Uma coisa é o “filme de ficção científica”; e outra é a criação e fabricação da tal “capsula do suicídio”, algo físico e já existente! Quem será que “nasceu primeiro”? Muito se fala que esse tipo de filme traz em si os sinais de uma realidade oculta!

Aí, a pergunta que não quer se calar: “Será essa “capsula do suicídio” mais uma “invenção satânica”, com fins de “redução populacional” sem deixar vestígios e nem espalhar contaminação?”

Fonte:

Vejam nesse link o texto sobre a “Capsula do Suicídio” na íntegra: https://www.terra.com.br/noticias/tecnologia/canaltech/capsula-do-suicidio-feita-por-impressora-3d-permite-morte-digna-e-indolor,feb56935dfe819a9845120f1298486f0plvxzu7j.html

Vejam nesse link o trailer do filme “Onde está Segunda?” https://www.youtube.com/watch?v=mQoEE8gpCwk

 

PAZ EM TODOS OS QUADRANTES!

Alto Paraíso, 11 de dezembro de 2017

Hipátia III

Facebook

Publicidade

Mais uma distopia referente à “redução populacional”, o filme O PREÇO DO AMANHÃ mostra que a maioria da população (os pobres) devem morrer; enquanto que uma minoria (os ricos) devem dominar o sistema financeiro e a civilização como um todo!

Uma sociedade distópica, onde comida, dinheiro, sexo, drogas e diversões são os pontos altos, só que isso pode durar até os 30 anos de idade. Após isso o indivíduo deixa de existir. “Redução Populacional”?

Será “ficção” ou uma “projeção” para uma realidade futura? Verdade é que trata-se de um filme de “redução populacional” de forma chocante, com enganos e mentiras de um regime duro, impiedoso e ditatorial. Situação que parece não estar muito além de nossa realidade. Até porque a “câmara mortuária” do filme se parece muito com a recente “cápsula do suicídio” (ver artigo nesse site!)